Entrevista – Um bate papo com um dos mecânicos mais respeitados de São Paulo

Rogerio Otani, mais conhecido como ‘China’, é um nome que você precisa conhecer. Apaixonado por motos, China é um dos mecânicos e pilotos mais conceituados de São Paulo. Está na sua 15ª participação do Rally dos Sertões e já coleciona prêmios em várias categorias no Rally. Especializado e certificado pela Honda, Suzuki, KTM, Can-Am, Bombardeei, dentre outras, reestruturou e montou cursos de mecânica para o Senai e atualmente tem sua própria escola de mecânica e oficina. Nossa equipe do blog passou um dia com ele para conhecer mais sobre esse mestre e trazer dicas bacanas. Inspire-se!

Quando começou como mecânico, qual era seu maior receio?

Meu maior medo era matar alguém, deixar um parafuso solto, esquecer uma ferramenta dentro do motor. Operar em moto é muito mais difícil do que carro. Moto é concentrada, tudo mais justo, delicado e mais preciso. Por isso que preso muito por ferramenta de altíssima precisão. Sou apaixonado por ferramentas e cuido como joias, tanto que estão na minha caixa há 30 anos. Aliás, em meus cursos o que mais falo é: ferramenta não é gasto e sim um investimento. Cuide delas e aprenda usar corretamente cada uma delas, pois são suas aliadas. 

Com sua experiência, que conselho você daria a um iniciante?

Em oficinas, tempo é dinheiro e ferramentas são investimento. Toda moto tem um manual e nele consta o tempo de mão de obra para cada ajuste. Por exemplo, eu preciso fazer um trabalho no carburador de um moto. No manual informa que o tempo padrão de mão de obra é de 1 hora. Vamos dizer que é uma moto maior, que tenha quatro carburadores, quatro cilindros, automaticamente são 4 horas. Quando eu ficava dentro de uma oficina nos Estados Unidos, no período de 8 horas eu produzia 14 a 15 horas de dinheiro. Se eu realizasse em 4 horas, era pago pelas 4 horas. Se realizasse em 6 horas, recebia apenas pelas 4 horas. O tempo vira dinheiro quando você realiza um trabalho desses em duas horas e você recebe por quatro. Na sua oficina deve ter o mesmo raciocínio. 

Como otimizar o tempo na oficina?

Prática, sabedoria e ferramentas. Procure cursos, seja interessado, afinal você está lidando com motos e com vidas. Tenha em mente que você precisa produzir para ganhar dinheiro. Além disso, busque conhecer sobre ferramentas. Se você tiver um ferramental adequado será um profissional mais rápido. Cuide delas, organiza-se. Um profissional desorganizado perde tempo procurando ferramentas, danifica-as ao não mantê-las em manutenção. A gambiarra na oficina não pode acontecer. Se você utiliza errado uma ferramenta, automaticamente você vai danificar uma peça. Some esses erros e no final terá uma conta mais alta a pagar, seja em repor ferramenta, seja em repor peça do cliente.  

Quais as ferramentas que mais se ganha tempo na sua avaliação?

As chaves combinadas, fendas com catracas, catracas articuladas com cabo ergômetro para virar manivela. Ferramentas versáteis e inteligentes. Espie as novas chaves combinadas e catracas articuladas da linha Gedore Red – https://www.gedore.com.br/gedorered/

Que dica você daria a um mecânico?

Cuide de suas ferramentas. O mau uso de ferramenta é o principal problema em uma oficina, caso contrário ferramenta não quebra. Se você não usa corretamente, você automaticamente já danificará a ferramenta e a peça em que está trabalhando. O mau uso é maior erro na oficina e o tempo novamente entra em jogo. O custo da oficina aumenta ao gastar frequentemente na reposição de ferramentas. Se você está usando errado e desbocou um parafuso, por exemplo, terá agora que repor um parafuso que não estava estragado, além da ferramenta. Você vai ter que parar o serviço, sair para comprar outra ferramenta e o parafuso novo. O tempo já não é dinheiro. Eu tenho uma chave combinada que serve para um parafuso, de um modelo de uma moto específica, que me custou R$400. A hora que chegar essa moto na minha oficina eu não preciso desmontar a metade da moto para acessar aquele parafuso. É caro uma ferramenta? Sim, é. Mas eu ganho tempo de serviço, qualidade (vou usar uma ferramenta inadequada sem danificar peças) e agilidade. Eu já fiz com essa chave centenas de motos, ou seja, já se pagou.

Qual dica para abrir uma oficina de motos?

Para abrir uma oficina pequena com duas estações profissionais e focada em motos de linha (mais básicas), você precisará de em torno de R$20 mil. Isso inclui ferramentas, acessórios e aluguel. Agora, se você vai trabalhar com motos elitistas, esse valor já vai para R$ 200 mil. Por que? Porque as ferramentas e equipamentos são mais específicos, assim como a variedade aumenta e a qualidade da mão de obra também. Claro que o aluguel será mais caro, pois você vai abrir uma oficina onde seu público A está. Esse mercado de motos não para de crescer e tem demanda. Quanto mais você investir em cursos, mais terá condições de ganhar agilidade e assim atender mais clientes. A oficina tem que ter giro de produção. Logo, mão de obra qualificada, ferramentas adequadas vão fazer tempo virar dinheiro. 

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *