main

Conexão Gedore

Como manter as vendas em janeiro e fevereiro? Veja dicas

16 de fevereiro de 2017 — by Ferramentas Gedore

janeiro_2017-70
Sem dúvida nenhuma, janeiro e fevereiro são meses letárgicos e sonolentos, onde a maioria das pessoas estará, em algum momento, de férias. A retração na demanda com relação a vendas e serviços oferecidos proporcionada por este bimestre representa um declínio expressivo para a grande maioria das empresas. Com certeza, é o pior período do ano para o comércio e para a indústria, que, na grande maioria das vezes, fica com um faturamento que deixa seriamente a desejar, muitas vezes não sendo nem mesmo o suficiente para pagar as despesas. É possível, no entanto, quebrar este paradigma, e ter nestes dois meses atípicos um faturamento relativamente razoável, ou similar aos demais meses do ano?

É possível, mas dentro de alguns limites. Existem exceções, mas a verdade é que para a grande maioria das empresas, janeiro e fevereiro jamais irá se equiparar aos demais meses do ano. Evidentemente, conquistar um faturamento decente nestes dois meses depende de uma série de variáveis, e muitas delas você não será capaz de controlar. Portanto, mesmo que você se esforce bastante, nem sempre seus esforços serão recompensados. Mas, ainda assim, é melhor do que ficar parado, contando o estoque, não é mesmo?

Uma coisa que ajuda neste período do ano é a prospecção de novos clientes, bem como de clientes inativos. O que pode ser feito de três maneiras: por e-mail, por telefone e presencial. E-mails raramente darão resultado – embora você não deva descartar de imediato esta possibilidade – mas definitivamente ligar para possíveis clientes, e agendar um horário para visita, sem dúvida nenhuma, costuma ser a melhor forma de se manter ocupado neste período do ano. Você preencherá a sua agenda com atividades profissionais, e, dependendo das circunstâncias, conseguirá abrir alguns novos clientes, além dos antigos que, por uma razão ou outra, deixaram de comprar de você. Ao menos, conseguirá solicitações para elaborar alguns orçamentos, que poderão eventualmente transformarem-se em pedidos, e serem negociados.

É claro que você deve ser realista. Na grande maioria das vezes, você entrará em contato com vinte e cinco possíveis clientes, será contatado para fazer seis orçamentos, e destes seis, dois – quando muito – serão efetivados de fato em um pedido. Não se sinta frustrado se, depois de fazer o melhor possível, o cliente desistir, e o negócio acabar não se concretizando. Lembre-se: você não controla as circunstâncias – ao menos, não todas elas –, e assim como você está se esforçando ao máximo para não fechar o mês no vermelho, seu prospectivo cliente provavelmente passa pelos mesmos desafios. Obviamente, quanto mais clientes você visitar, mais chances terá de vender. Mas não crie expectativas muito altas. Você sem dúvida nenhuma aumentará as suas chances, mas isso não quer dizer que resultados factuais serão obtidos. Ao menos, não imediatamente.

Como tudo na vida, não existe uma fórmula garantida para o seu sucesso no primeiro bimestre do ano. Embora seu esforço e perseverança contem muito, tenha em mente que você nem sempre conseguirá os resultados desejados. E isso de forma alguma significa que você é um incompetente, ou um fracassado. A paralisia gerada nos primeiros dois meses do ano jamais poderá ser plenamente revertida.

Lembre-se: ter iniciativa em abrir novos clientes, além de mantê-lo ocupado, expandirá suas possibilidades de sucesso. Se você se mantiver atarefado, estes dois meses, além de passarem rápido, poderão ser concluídos com relativo êxito. Mas nunca se sinta frustrado se suas metas não forem atingidas. O mercado é regido por uma série de fatores oscilantes e variáveis, dos quais nós, infelizmente, pouco ou nenhum controle temos.

Fonte: Jornal do Empreendedor

Conexão Gedore

Projeto Arcos realiza primeira ação na Escola Castro Alves

24 de outubro de 2016 — by Ferramentas Gedore

Em setembro, o grupo que integra o Projeto Arcos – profissionais da Gedore e alunos da EMEF Castro Alves – participou do encerramento da Semana Farroupilha da escola. Com a meta de engajar 35% da Comunidade Escolar, foi proposta uma Caça ao Tesouro, onde as equipes procuraram pistas pelo colégio para montar um quebra-cabeça e decifrar a mensagem.

Após esta atividade, foi realizado um almoço coletivo, preparado pelos funcionários da Gedore e pelas merendeiras da escola. Para conseguir prover 320 almoços, foi necessário engajar também a Comunidade Gedore, que apoiou em peso! Esta foi a primeira entrega do grupo Projeto Arcos, e foi um sucesso!

O projeto Arcos já está na sua segunda edição. A 1ª edição do projeto, realizada em 2015, foi marcada pela revitalização do Parque do Trabalhador, em São Leopoldo, que reuniu voluntários para restaurar as quadras de futebol, cortar a grama e promover a limpeza do local e que ainda organizou um grande evento para incentivar o empoderamento da comunidade para aquele local.

Sobre o Projeto Arcos

Criado na empresa em 2015 e com foco no desenvolvimento de lideranças, este projeto inovador une a gestão de pessoas com a criação de valor compartilhado, através de uma aprendizagem transformadora e social baseada na resolução de problemas. Para isso, o projeto explora vivências e interações entre líderes da Gedore, profissionais da Escola Convexo e alunos da Escola Municipal Castro Alves, vizinha de bairro da empresa.

Confira algumas fotos da ação na Escola:

14435329_569712649882444_3674589067441153671_o

14500241_569712436549132_8146060922716722450_o

14480563_569713559882353_1935049646725286518_o

14469720_569717783215264_2938123144053109290_n

Conexão Gedore

Dica de mecânica automotiva: não dê a partida no carro em enchentes!

20 de outubro de 2016 — by Ferramentas Gedore

Com a grande quantidade de chuvas acontecendo nessa época, é normal passarmos por uma situação em que o carro fica preso em uma enchente. Se ele apagar, a dica é não dar a partida novamente. Descubra o porquê no artigo abaixo:

Em dias de chuva, a dica é procurar um caminho por regiões mais altas da cidade. É melhor optar por um roteiro mais longo do que correr o risco de perder seu patrimônio. Lembre-se: o seguro poderá se negar a cobrir os prejuízos caso consiga provar que o motorista foi negligente.Veja abaixo algumas dicas para o caso de se deparar com um trecho de alagamento.Como saber se dá para passar pelo alagamento?
1) Lembre-se: a entrada de ar do motor costuma estar na altura dos faróis (veja na foto abaixo). Assim, a água não deve ultrapassar a metade da roda.

Duto de entrada de ar do motor fica na altura dos faróis

2)  Observe a altura da água olhando os veículos (ônibus, caminhões) que vêm no sentido contrário.

3) Cuidado com valetas, depressões e buracos que possam estar submersos, evitando que a água alcance a entrada do filtro de ar.

4) Cuidado com as marolas provocadas pelos veículos que seguem no sentido contrário.

5) Se decidir atravessar, faça-o bem devagar: vá devagar, para não criar ondas e fazer a água alcançar áreas mais altas do seu carro.

Se no meio da travessia o motor apagar, NÃO DÊ PARTIDA: isto é um sinal que a água tampou a entrada de ar do motor. Se você der a partida, ela será sugada para dentro do motor e provocará o que chamamos de calço hidráulico, que é o travamento das peças internas do motor.

O que fazer se você estiver dentro do carro e ficar preso em um alagamento?
A primeira providência é desligar o motor. Se possível, saia do carro. Não religue o carro porque o motor sugará a água do alagamento.
E se meu carro ficou submerso estacionado?

Chuva em Campinas

NÃO DÊ PARTIDA NEM LIGUE A IGNIÇÃO. Chame um mecânico para fazer o seguinte procedimento:

1)      Retirar o filtro de ar. Ele deve verificar se o filtro está encharcado ou se tem vestígio de água no compartimento onde ele fica instalado.

2)      Se tiver água no filtro de ar, o mecânico deverá remover todas as velas de ignição, para ter acesso aos cilindros do motor, e verificar se a água alcançou a parte interna do motor. Constatada a presença da águ,a ele fará o procedimento de remoção dessa água dos cilindros e secagem das velas.

3)      O passo seguinte é puxar a vareta do óleo e verificar se o óleo está contaminado com a água (com aspecto leitoso, esbranquiçado). Este é um sinal de que será preciso substituir o óleo do motor.

Depois da parte mecânica, leve o veículo para uma empresa especializada em limpeza e substitua as espumas e forrações que forem necessárias, para que seu carro não fique com cheiro de casa de praia. Não se esqueça de olhar o buraco do estepe.