main

Conexão Gedore

Ferrugem no carro ou moto: como remover?

3 de maio de 2016 — by Gedore - Marketing

ferrugem.jpg

Existem várias razões pelas quais você pode estar preocupado com manchas de ferrugem em seu carro ou moto. Se você quer tentar vender, qualquer aparência de ferrugem na superfície irá baixar o preço de revenda consideravelmente. Se você está pensando em manter o veículo por um longo tempo, então você quer que ele não esteja caindo aos pedaços em alguns anos. Se você tem uma superfície enferrujada que se desenvolveu a partir de uma lasca na pintura ou mesmo uma ferrugem que começou como resultado de uma pintura rachada, você pode tomar algumas medidas que tornarão seus carros bons. Só porque seu carro ou moto são velhos não significa que eles tenham que ser um balde de ferrugem.

Remover ferrugem de ferro: preparando a área oxidada
O primeiro passo, como com qualquer outro trabalho de pintura, é preparar adequadamente a superfície para aceitar a pintura. No caso de um carro ou moto, o propósito é duplo. Não só você está preparando o metal para aceitar a pintura, mas você também está reparando, cosmeticamente criando uma superfície perfeitamente em forma, lisa e livre de defeitos. A melhor maneira de começar a preparar a superfície é com uma retífica ou uma lixadeira angular. Use uma lixa 150 para começar a criar uma superfície lisa. Haverá um ponto onde a pintura foi lascada que você precisa verificar com cuidado. Você quer usar a lixa para nivelar a superfície para que você não possa sentir a diferença entre a superfície pintada e sem pintura com os dedos. Use lixa para remover o máximo da ferrugem quanto possível, mas não fique frustrado se não levar tudo embora. O próximo passo vai cuidar disso. Quando terminar esta tarefa, tente passar os dedos sobre a superfície com os olhos fechados, para ver se você ainda pode sentir a textura da ferrugem.

A lixa de 150 é boa para preparar a área em torno da ferrugem, mas uma lixa de metal é melhor para remover a própria ferrugem real. Você precisa ter cuidado com esta lixa porque ele pode remover uma grande quantidade de material muito rapidamente. Certifique-se de que você não exagera, e vá muito lentamente. Este é um passo importante porque, além de remover o restante da ferrugem, a lixa de metal irá suavizar as marcas que a ferrugem deixou na chapa de metal. Depois de ter removido o máximo de ferrugem quanto você pode seguramente com a lixa de metal, é hora de lixar com uma lixa manual de 150. Ela vai ser usada para remover todos os últimos pontos de ferrugem teimosos e aperfeiçoar a transição que você criou entre a borda pintada e o metal. Tome seu tempo e fazer um bom trabalho aqui. Este é o passo que vai caprichar na qualidade de seu acabamento.

Se houver um dente ou algumas marcas de ferrugem realmente profundas deixadas pela ferrugem, e você simplesmente não pode remover sem danificar a chapa de metal, você deve passar um produto removedor de ferrugem nesses pontos, esperar a ação, remover a ferrugem com uma lixa, e preencher o buraco deixado. Produtos para preenchimento de buracos na lataria de veículos estão disponíveis na maioria das lojas de autopeças e incluem instruções detalhadas para a sua utilização. A chave para o sucesso aqui, como com os primeiros passos, é certificar-se de que os passes de lixa finais são perfeitos. Para pontos de ferrugem muito avançados, onde boa parte do material já foi consumido pela oxidação, é necessário repor a parte com tecido de fibra de vidro ou material semelhante, não prejudicando a estrutura da chapa de metal. Aproveite e não se esqueça de remover a ferrugem do tanque da sua moto ou carro, para fazer um serviço completo.

Fonte: Carro de Garagem

Conexão Gedore

A melhor bateria de carro do mercado

3 de maio de 2016 — by Gedore - Marketing

A melhor bateria de carro do mercado

Durabilidade, bom desempenho, melhor garantia, reposição adequada. Estas são as principais características que uma fábrica de baterias deve conquistar se quiser ver seu produto ser considerado Top pelo mercado. Por mais que uma bateria esteja escondida da visão do motorista, na hora da troca ele sempre vai comparar, elogiar, ou criticar o produto original ou não. Pois é quando dói no bolso que esta capacidade crítica aflora em qualquer consumidor. Como uma bateria de um carro moderno dificilmente avisa que está acabando, quase sempre deixando o motorista na mão, este “poder” de crítica fica mais apurado devido a frustração do momento. Uma dica: somente compre uma bateria em supermercado se não houver outra opção. Normalmente essas mercadorias tem pouca rotatividade por motivos óbvios: dificilmente alguém compra bateria em supermercados. Com certeza será um produto antigo de prateleira que terá sua vida útil comprometida, embora o tempo de garantia seja o mesmo.

battery-76568_640

 Durabilidade

A vida útil de uma bateria depende de vários fatores. Entre eles está a qualidade da matéria prima, como o chumbo, telas e solução química, além da embalagem com suas propriedades únicas da fábrica. Isto significa que o primeiro passo ao escolher uma bateria é saber quem é o fabricante e se o produto é o carro chefe da linha de produção. O seu veículo e acessórios também influenciam na durabilidade da bateria. Um carro com ar-condicionado, por exemplo, pode ter a vida útil da bateria reduzida em anos. Na média, uma bateria de boa qualidade deve durar de 2 anos a 3 anos. Mas existem casos de durar até onze anos! Por que isso acontece?

Toda bateria é montada, soldada, e testada por pessoas qualificadas e máquinas de última tecnologia. Um bom montador, entusiasmado com seu trabalho, com certeza vai fazer boas soldas e trabalhar com materiais sem nenhum tipo de defeito. Junta-se a isso equipamentos de ponta e fica explicado porque uma bateria da mesma fábrica, e, teoricamente com os mesmo materiais, pode durar bem mais. Ou seja: comprar uma boa bateria exige ter referências de outros e contar com um pouco de sorte. Evidentemente que isso acontece mais com baterias de grandes fábricas.

pommel-horse-573752_640

Bom desempenho 

O que seria um bom desempenho de uma bateria? Podemos comparar o desempenho de uma bateria com o de um atleta: resistência, uma boa preparação, e, principalmente a capacidade de se recuperar energias depois de um esforço anormal. A longevidade de um atleta também pode servir de comparação com o desempenho de uma boa bateria. As melhores marcas também são chamadas de “inteligentes” devido ao seu poder de recuperação depois de algum uso excessivo da parte elétrica de um carro. Basta dar um tempinho e ela melhora sua carga. Uma bateria Top resiste mais tempo ao uso repetido do motor de arranque, o que tem acontecido mais hoje em dia. A boa preparação fica por conta da capacidade da fábrica de ter bons equipamentos, produtos e mão de obra qualificada.

brand-157839_1280

Melhor garantia

Este é um item de grande importância. Primeiro: quanto maior a garantia, maior a confiança da fábrica em seu produto. Não duvidem disso. Outro fator: pergunte ao vendedor se a fábrica garante defeito por sobrecarga, algo também muito comum (é o carro que causa isso). Se ele confirmar a garantia, peça que reconfirme isso por escrito.

No mercado existem garantias de 12, 15 e 18 meses, dependendo do uso e tamanho da bateria. Mas quase todas elas duram mais do que estes tempos de garantia.  Porém, como imprevistos acontecem com todos, melhor escolher a garantia maior. Também não deixe de ler os termos da garantia, mesmo que as letras sejam pequenas. Quase sempre um comprador de bateria não pede nota fiscal, o que é um erro, ou é convencido pela loja que não precisa da nota, o que é um erro maior ainda. Mas em termos de garantia, se você viajar para outro estado e a bateria estragar por lá, você somente vai conseguir trocá-la se houver uma nota fiscal do produto. Isso não é somente lei, mas exigência da fábrica para provar que o produto veio realmente do seu estado. Poderia ser algo roubado, pois assim fazem os ladrões de baterias: roubam em um estado e vendem em outro.

Se você for proprietário de Táxi  procure no manual da bateria qual o tempo de garantia para este tipo de veículo. Algumas fábricas dão apenas a garantia mínima estipulada pela lei, que é de 3 meses. Uma última dica: jamais perca o cupom da garantia. Sem ele a fábrica não cobre defeitos além dos 3 meses citados acima. Mesmo assim tem que apresentar a nota fiscal de compra.

mannequin-741596_640

Reposição adequada 

Quando falamos de reposição nos referimos ao produto que vai substituir uma garantia, por exemplo. A troca tem que ser feita por uma bateria nova, jamais por uma antiga de fabricação e muito menos por uma usada, o que, infelizmente, acontece devido a falta de conhecimento técnico do consumidor. Mas basta conferir a garantia que vem também na bateria que vai substituir a sua. O único direito da fábrica é transferir o tempo da garantia da bateria com defeito para a nova. Ou seja: se a sua bateria estragou com seis meses, a nova, da troca, vai continuar com os mesmos seis meses de garantia.  No caso da bateria estragar com menos de 3 meses para vencer a garantia, a fábrica tem a obrigação de estender por mais três meses.

Fonte: MãoSãoAuto

Conexão Gedore

100 dicas para uma oficina 100%

29 de abril de 2016 — by Gedore - Marketing

Conquistar a satisfação e a fidelidade do seu cliente, oferecendo serviços de qualidade num estabelecimento comercial sério e honesto. Esse é o sonho de todo empresário reparador, por isso, selecionamos nessa matéria comemorativa da edição 200 da Revista O Mecânico, o primeiro capítulo de uma série de 200 dicas elaboradas em parceria com o IQA (Instituto da Qualidade Automotiva) para fazer da sua oficina um negócio rentável e de sucesso. As próximas 100 dicas você vai acompanhar na edição de número 201. Confira:

Gestão

1. Defina um organograma com as atribuições de cada funcionário de acordo com sua função.
2. Seja mais suscetível a mudanças.
3. O primeiro passo para uma mudança é a conscientização de que todas as áreas da oficina precisam passar por uma análise criteriosa e todos os colaboradores têm que se envolver nesse processo.
4. Mostre aos funcionários a importância e o papel de cada um na empresa.
5. Tenha sempre seus funcionários identificados por crachá.
6. Nunca chame a atenção de um funcionário na frente do cliente.
7. Ofereça serviços diferenciados aos seus clientes. Ex. Leva e traz, lavagem, entre outros.
8. Desenvolva a cultura da preservação do meio ambiente em todas as áreas da oficina.
9. Oferecer uniformização adequada é obrigação da empresa.
10. Remunere os funcionários de acordo com o trabalho.
11. Mantenha diálogos sempre ativos.
12. Realize reciclagem e ofereça oportunidades para os seus funcionários conhecerem as tecnologias atuais.
13. Quem trabalha com um sistema de gestão por processos está a 10 anos na frente.
14. Não esqueça que os processos sempre envolvem diversos departamentos, com toda a empresa reunida num só objetivo: a satisfação do cliente.
15. Com processos bem definidos o gestor pode identificar as deficiências das operações e corrigi-las em tempo oportuno, evitando chegar até o cliente.
16. Padronize sua rede com a certificação (Quando aplicável).
17. Utilize sua certificação para participar de licitações públicas. Faça valer o seu diferencial.
18. Busque orientações de gestão em organismos direcionados (SEBRAE).
19. Fique atento e aproveite as oportunidades geradas por exigências do governo, como a Inspeção Veicular.
20. Em caso de oficina a diesel adéque-se para o PMMVD (Programa para a Melhoria da Manutenção de Veículos Diesel).
21. Procure um sindicato e/ou associação para fortalecer o seu padrão de atendimento. Além disso, as associações de classe têm mais acesso para conseguir informações técnicas.
22. Transforme seu concorrente em parceiro, consiga melhores condições e benefícios no mercado.
23. Empresa melhor preparada e melhor formada tem mais possibilidade de atingir melhores resultados e permanência no mercado.
24. Junte um grupo e busque apoio de entidades como o SEBRAE, por meio do projeto Empreender, e aproveite para gerar benefícios para todos os que participam.
25. Busque ajuda externa, uma pessoa de fora enxerga muito melhor o que está acontecendo dentro de uma empresa.
26. Tenha uma certificação da qualidade, pois o órgão certificador irá ajudá-lo a controlar seus padrões de qualidade na prestação de serviços.
27. Lembre-se sempre que a oficina é co-responsável pelo produto que está aplicando no automóvel, por isso, exija produtos de qualidade que sigam as normativas do INMETRO.
28. Implante a filosofia dos 5’s em sua oficina, que transforma o ambiente com organização e atitude, melhorando a qualidade de vida dos funcionários, diminuindo desperdícios, reduzindo custos e aumentando a produtividade das instituições.
29. Na oficina deve-se evitar o estoque desnecessário de peças e materiais em excesso, tanto papéis quanto objetos; desperdícios de graxas, sabão e cremes.
30. Ter a mão apenas as ferramentas que serão necessárias para aquele serviço determinado.
31. O descarte de óleo e resíduos deve ter a destinação correta feita por empresas credenciadas.

32. Convide o cliente para conhecer a oficina e fazer o trabalho com transparência, oferecendo, inclusive, a possibilidade de acompanhar o serviço.
33. É recomendável que o proprietário do estabelecimento faça um seguro, para qualquer avaria que possa ocorrer ao veículo dentro da oficina.
34. Selecione os serviços adicionais que pode oferecer ao cliente para agregar valor ao seu serviço, como serviço leva e trás, lavagem do veículo, convênio com cooperativas de táxis, etc.
35. A certificação é um investimento e não um custo, pois é uma ferramenta valiosa para análise do sistema da qualidade existente e cobrança contínua de melhorias.
36. A certificação nas oficinas é um reconhecimento público da empresa em relação ao sistema de gestão da qualidade implantado, que em seguida é analisado por uma entidade neutra, habilitada para essa finalidade.
37. Trabalhar de acordo com regras que preservam a integridade física do mecânico é primordial para o sucesso do negócio da reparação e todos são beneficiados.
38. Para evitar problemas com o ministério do trabalho é obrigatório que o empresário disponibilize para seus trabalhadores, além dos EPCs e das devidas manutenções do ambiente de trabalho, os equipamentos de proteção individual, também conhecido por EPIs.
39. Muitos funcionários se recusam a utilizar os EPIs, por não entender que essa prática vai resguardar sua integridade física e sua segurança no dia a dia do trabalho. É uma questão de conscientização e treinamento.
40. O funcionário que descuida do uso dos equipamentos de proteção, apesar de tê-los recebido e orientado sobre o uso, deve receber uma advertência do empregador.
41. Cuidado na formação de preços, levante todos os custos relacionados direto e indiretamente com o serviço. (Ex.: Lavagem, Cafezinho, Água e etc.)

Indicadores

42. Faça um planejamento estratégico com os objetivos que quer atingir num determinado período e assim estipular os indicadores que serão controlados.
43. Registre todas as suas ações para acompanhamento dos resultados.
44. Crie seus próprios indicadores, não existe uma regra, tudo vai depender de qual é o seu objetivo.
45. Crie indicador sobre melhoria no atendimento.
46. Crie indicador para o visual da oficina.
47. Crie indicadores para os processos.
48. Crie indicadores para a entrega do veículo.
49. Crie indicadores para a quantidade de reparos.
50. Defina indicadores que facilitem a solução de problemas.
51. A criação de um fluxograma em cada etapa pode ajudar muito.
52. Utilize estatística e gráficos, a partir dos seus registros, é o modelo mais recomendado para obter os benefícios dos indicadores.
53. Indicadores mostram desenvolvimento, podendo efetuar as correções necessárias em tempo de evitar problemas.
54. Faça um acompanhamento dos indicadores com sua equipe, tornando-a parte de um todo.

Reclamações e Pesquisa de Satisfação

55. A pesquisa de satisfação serve para medir o padrão de qualidade do serviço prestado bem como sentir de que forma os clientes avaliam os processos, produtos e serviços oferecidos.
56. Criar um controle de reclamações dos clientes.
57. Crie índices para análise e controle de reclamações.
58. Pergunte ao cliente no momento da entrega do veículo, se ele concorda em responder um questionário de satisfação de atendimento.
59. Marque uma data para a pesquisa com o cliente ainda na entrega do veículo.
60. Não direcione os resultados da pesquisa, pois funcionam como referência para uma auto-avaliação.
61. Não adianta ter uma pesquisa guardada na gaveta enquanto você continua sem saber onde está a falha da sua oficina.
62. Essa ferramenta serve para mostrar onde devem ser feitas as ações e, se assim não for, a pesquisa não está atendendo ao seu propósito.
63. As pesquisas devem ser tabuladas, analisadas e formatadas a fim de gerar base para um plano de melhoria contínua.
64. Utilize a pesquisa para comparar os seus serviços ao longo de um período, caso positivo utilize essa informação em suas ações de marketing e caso negativo crie um plano de melhoria.
65. Após implantação das melhorias, sempre faça uma pesquisa para saber o que seu cliente está achando.
66. Mantenha arquivado o histórico de resultados de suas pesquisas e reclamações, para comparações futuras. Ex.: Em 2005 tínhamos 75% de aprovação dos serviços e em 2010 95% de aprovação ou nossa capacidade de atendimento era de 200 carros/mês e hoje passou a ser 500 carros/mês.
67. Deixe claro ao cliente que o objetivo da pesquisa é promover a melhoria na prestação de serviço e que é importante não só as respostas como algumas sugestões que o mesmo queira dar.
68. Sempre que implantar uma melhoria sugerida pelo cliente, sinalize para que todos saibam e percebam essa melhoria, inclusive o próprio cliente.
69. É importante que a pesquisa seja feita depois de alguns dias que foi realizado o serviço, com um tempo para o cliente rodar com o carro dando o seu parecer, porém nunca superior a cinco dias úteis.
70. Deixe o cliente bem a vontade para expressar a sua impressão sobre o serviço prestado, bem como o que não lhe agradou dentro do seu atendimento.
71. A pesquisa lhe gerará um banco de informações muito rico, portanto, defina padrões de excelência a serem atingidos para que a pesquisa não fique sem sentido.
72. Os itens que tiverem notas baixas devem ser revistos e melhorados. Como qualquer outra atividade, essa avaliação pede o PDCA (Planejamento, Desenvolvimento, Controle e Avaliação).
73. Uma pesquisa bem trabalhada, assim depois de um tempo, permite planejar o crescimento do seu negócio no mercado, através da satisfação do cliente.
74. Uma pesquisa bem trabalhada pode direcionar o futuro da sua empresa, o caminho do desenvolvimento e para o crescimento.

Instalações

75. Mantenha o ambiente limpo, isso irá atrair públicos diferenciados à sua oficina.
76. Ambiente organizado passa uma boa imagem ao cliente e facilita o trabalho dos funcionários.
77. Reduza seu custo implantando a Iluminação Natural.
78. Mantenha uma boa sinalização interna da oficina.
79. Tenham uma boa recepção para os clientes que estão aguardando atendimento e a entrega do serviço.
80. Implante a separação dos resíduos nas oficinas e o descarte correto de peças e outros resíduos gerados da reparação.
81. Adote caixas decantadoras, que fazem o trabalho da separação da água e do óleo antes da destinação para esgoto público.
82. Utilize um analisador de gases para controlar a emissão de gases do veículo na atmosfera.
83. Recicle o gás do ar condicionado para reaproveitamento, pois além de preservar o meio ambiente, traz lucros.
84. Utilize uma máquina lavadora de peças para a lavagem de peças em geral, com produtos biodegradáveis, que não agridam o meio ambiente e gerem economia.
85. Observe se pode oferecer estacionamento para os seus visitantes.
86. Faça a manutenção preventiva das suas instalações e de todos os aprimoramentos que foram realizados.
87. Disponibilize banheiros decentes e limpos para clientes e funcionários, e ainda vestiários com chuveiros.
88. Em relação a limpeza, vale o senso de “não sujar”, assim outras pessoas terão até vergonha de sujar um ambiente que está tão limpo.
89. Se na oficina, cada um manter o seu local limpo, assim como as áreas em comum, o lugar vai estar sempre conservado.
90. Uma seqüência lógica no layout da oficina, por exemplo, reduz o tempo de trabalho e minimizam riscos de acidentes, afinal o trabalhador não precisa ficar andando de um lado para o outro desnecessariamente.
91. O ambiente de trabalho em geral deve ser estruturado para também resguardar a integridade do funcionário.
92. Recomenda-se conferir também se os hidrantes encontram-se desimpedidos e se as mangueiras de água estão guardadas em locais apropriados, o que é uma exigência do Corpo de Bombeiros e vale também para extintores.
93. Em situações de emergência e em casos de acidentes, a oficina deve ter uma caixa de primeiros socorros com anti-séptico (mertiolate), esparadrapo, algodão, curativo pronto (band-aid), etc, sem manter medicamentos.
94. É importante ter também um convênio com hospitais e os telefones do corpo de bombeiros, ambulância, polícia, resgate e o endereço da oficina sempre em um local de fácil visualização.

Tecnologia

95. Crie condições para que o cliente possa acompanhar o serviço no seu carro. Ex.: Online de onde o cliente estiver, similar com os bebês em grandes maternidades.
96. Busque entregar serviços mais confiáveis ao cliente usando a tecnologia com equipamentos e softwares.
97. Informatize seus processos e ganhe mais produtividade.
98. Implante um sistema de gestão informatizado que possibilite organizar orçamentos, contas a pagar e receber, agenda de atividades, controle de estoque, peças, cadastro de clientes, fornecedores, relatórios, balanceamento e alinhamento, além de gestão da qualidade.
99. Adquira um scanner automotivo, que faz a leitura e análise de vários componentes relacionados com a injeção eletrônica do motor, sendo essencial para oferecer um reparo de qualidade.
100. Disponibilize um sistema de busca de informações para os funcionários.